Dicas de Saúde

14/12/2016

Percepção da EXCITAÇÃO é diferente em homens e mulheres

Texto escrito por Thalia Maia

O homem com desejo evoluiu com ereção e intumescimento peniano. Ele é capaz de perceber isso o que gera uma resposta positiva, produzindo mais excitação. As mulheres não funcionam assim.

Em estudo realizado com registro de aumento de vascularização vaginal e lubrificação, mulheres apresentavam resposta positiva no detector quando expostas a imagens eróticas, vídeos de relação sexual heterosexual e homossexual, porém quando interrogadas diziam não ter havido excitação alguma. Mentiram? Claro que não. O que ocorreu fisicamente não foi interpretado pelo cérebro como positivo. As mulheres não interpretavam aquelas alterações como excitação. Com isso acendemos a luzinha para os limitantes culturais, onde aprendemos a interpretar o que nos é ensinado como bom e ruim.

A lubrificação é necessária se a estimulação intravaginal for parte da interação do casal, ou seja, se é para ter penetração. A lubrificação, o intumecimento genital e a vasodilatação genital não estão particularmente correlacionados com o despertar do desejo subjetivo feminino, nem reforçam de forma consistente a excitação sexual.

Vale lembrar que a próxima relação sexual começa imediatamente após o término da anterior. E as principais preliminares seriam a relação do casal no dia-a-dia, com o cuidado recíproco, assim como a satisfação com o ambiente de trabalho, relação com os filhos e com a família, satisfação com o próprio corpo, e assim vai…

Temos um longo caminho. E, para o ser humano, manter a sexualidade viva não é resultado de instinto e muito menos algo automático e livre de esforço. Parece mais uma decisão e, como qualquer outra, precisa de cuidado, dedicação física e mental. Como mulher, filha, esposa, empresária, médica e, por enquanto, não-mãe, vivo os desafios assim como vocês. Que seja um caminho leve, ainda que desafiador.

Dra Thalia Maia – Ginecologista
CRMDF 19006