Dicas de Saúde

12/06/2016

Parto Normal x Casareo: De que lado do círculo você está?

Como escolher o lado de um círculo?
É justamente isso que vem a minha mente quando me perguntam, e isto ocorre com frequência, se defendo o parto vaginal ou o parto cesareo.

Explico melhor .

Há 20 anos quando iniciei minha formação em medicina e posteriormente minha especialização em ginecologia e obstetrícia, aprendíamos que o parto vaginal era a melhor opção de via de parto para uma gestante.

E realmente é.

Atualmente atuo principalmente com obstetrícia de alto risco e precisei aprender que, em algumas situações, a cesareana também pode ser a melhor via de parto .

Quando lidamos com gestações de baixo risco, na maioria das vezes, não há nada que contra indique um parto vaginal, e este realmente deve ser recomendado por apresentar menos riscos de infecções, hemorragias e ter uma recuperação mais rápida e menos dolorosa no pós-parto.

Porém, em algumas gestações com fatores ou patologias complicadoras de sua evolução, as chamadas gestações de alto risco, a cesareana pode tornar-se a mehor opção. Mães com cardiopatias que não conseguirão suportar uma gestação até o final, malformações, sofrimentos fetais e alterações graves da pressão são algumas das situações onde pode ser necessária a realização de uma cesareana .

Não se trata de eleger uma via de parto como ideal e perfeita e a outra como nociva, danosa. Ambas terão riscos e benefícios . Trata-se de avaliar com isenção de valores, qual via será mais adequada para determinada situação em determinado momento.

Não é uma escolha de preto ou branco, bem ou mal. Não podemos ser passionais como em uma disputa entre times adversários. Cada procedimento terá seu benefício quando bem indicado. Não podemos ignorar os riscos de um sofrimento fetal para realizarmos um parto vaginal a qualquer custo. Também precisamos rever nossos critérios para indicação de cesareanas.

O que precisa haver, em qualquer situação, é uma boa relação entre o médico e a paciente, com confiança, segurança e cumplicidade.

A gestante precisa participar de todo processo de decisão, sendo adequadamente informada de todos os benefícios, riscos e opções .

É por isso que não há como escolher um lado no círculo.

O círculo representa união e dentro dele precisa haver harmonia, bom senso, integração, segurança. Nele há espaço para muita gente: para a gestante, para o parceiro, para a família, para o obstetra, para o pediatra, para a doula , enfim , para todos aqueles que tenham em comum o desejo de uma gestação e um parto saudável e feliz.

Fernanda Torino-  Ginecologista e Obstetra CRM DF 19772
fetorino.doc@gmail.com  Marcação: 99680-4400