Dicas de Saúde

08/03/2017

Conhecendo os tipos de métodos para evitar gestação.

Para escolher o melhor método contraceptivo é fundamental o conhecimento dos diversos tipos e consultar uma ginecologista. Assim é possível

  • juntar o mais adequado ao seu estilo de vida,
  • afastar os que não são indicados por possíveis efeitos colaterais,
  • afastar os que não são indicados por alguma característica ou doença/sintoma que você já possua.

Sexualidade-preservativo-e-contracepção-o-uso-prolongado-dificulta-engravidar-no-futuro-1024x381

Preservativo masculino e feminino

Também conhecido como camisinha e condom, é um método de barreira que protege tanto contra doenças sexualmente transmissíveis quanto gravidez. Deve ser usada em todas as relações sexuais independente de estado civil e independente do uso de outro método anticoncepcional, justamente pelo diferencial de proteger contra doenças.

Deve ser usada em todas as relações.

Taxa de falha em uso real 18 a 21 gravidezes em cada 100 mulheres que utilizaram o método durante um ano.

 

Anticoncepcional Hormonal Oral 

Pílula. Podem ser com 2 hormônios (estrógeno e progestágeno, combinados) ou com 1 hormônio só (progestágeno isolado). Devem ser tomados todos os dias no mesmo horário. A eficácia é diferente em estudo e na vida real justamente pela alta taxa de esquecimento.

Uso diário.

Taxa de falha em uso real 9 gravidezes em cada 100 mulheres que utilizaram o método durante um ano.

 

Injetável mensal e trimestral

O injetável mensal possui dois hormônios e o trimestral apenas progesterona.

É importante que a aplicação ocorra no dia correto para ter a contracepção adequada. 1 vez ao mês ou a cada 3 meses dependendo do tipo.

Taxa de falha em uso real 3 (injeção mensal) a 6 (injeção trimestral) gravidezes em cada 100 mulheres que utilizaram o método durante um ano.

 

Adesivo

Contém 2 hormônios, estrogênio e progesterona. Deve ser mantido adequadamente colado na pele por 7 dias e trocado por outro. Serão3 semanas com adesivo (total 3 adesivos) e a quarta semana sem, quando ocorrerá a menstruação.

1 adesivo por semana durante 3 semanas

Taxa de falha em uso real 9 gravidezes em cada 100 mulheres que utilizaram o método durante um ano.

 

Dispositivo intrauterino (DIU)

Em formato de T, podem ter cobre (não hormonal) ou progesterona (hormonal) em sua composição.

Diu TCU 380A (DIU não hormonal de cobre) troca a cada 10 anos.

Multiload (também de cobre) troca a cada 5 anos.

Mirena (DIU hormonal) troca a cada 5 anos.

DIU de cobre – Taxa de falha em uso real 1 gravidez em cada 125 mulheres que utilizaram o método durante um ano.

DIU de progesterona – Taxa de falha em uso real 1 gravidez em cada 500 mulheres que utilizaram o método durante um ano.

 

Implante

Bastão que contém progesterona isolada, portanto hormonal, inserido no braço da mulher.

Troca a cada 3 anos.

Taxa de falha em uso real 1 gravidez em cada 2000 mulheres que utilizaram o método durante um ano.

 

Diafragma

Método não hormonal inserido na vagina para cobrir o colo do útero.

Colocado em todas as relações sexuais e só deve ser retirado entre 6 a 8 horas após a última relação sexual.

Taxa de falha em uso real 12 gravidez em cada 100 mulheres que utilizaram o método durante um ano.

Sobre o espermicida usado, ele é uma substância química que, quando presente na vagina e no colo, impede a penetração dos espermatozóides no útero. Taxa de falha em uso real 28 gravidez em cada 100 mulheres que utilizaram o método durante um ano.

 

Métodos naturais, comportamentais

Tabela, muco cervical e temperatura basal são exemplos. Nesses métodos são utilizadas informações dos ciclos anteriores e características para determinar o período fértil do ciclo menstrual. Depende da execução correta e cooperação dos dois parceiros já que envolve períodos de abstinência.

Observação de características para determinar o período fértil.

Taxa de falha em uso real 22 a 24 gravidez em cada 100 mulheres que utilizaram o método durante um ano.

 

Contracepção de emergência

A pílula do dia seguinte é método para evitar uma gravidez não desejada após uma relação sexual desprotegida.

Não deve ser usada como método anticoncepcional.

Dose hormonal alta. Usar apenas em casos emergenciais.

Taxa de falha em uso real 1 a 8 gravidezes em cada 100 mulheres que utilizaram o método durante um ano, dependendo do protocolo utilizado e se havia uso de outro método concomitante.

 

Métodos Cirúrgicos Permanentes

A laqueadura tubárea e a vasectomia podem ser realizadas nas seguintes condições:

  1. homens e mulheres com capacidade civil plena e maiores de 25 anos de idade, ou pelo menos com 2 filhos vivos, desde que observado o prazo mínimo de 60 dias entre a manifestação da vontade e o ato cirúrgico.
  2.  casos em que há risco de vida para a mulher ou riscos para a saúde da mulher ou do futuro bebê.

Laqueadura tubárea – Taxa de falha em uso real 1 gravidez em cada 200 mulheres que utilizaram o método durante um ano.

Vasectomia – Taxa de falha em uso real 1 gravidez em cada 666 mulheres que utilizaram o método durante um ano.

 

Responsável Dra Thalia Maia CRM DF 19006

Fontes:

  • Ministério da Saúde - Manual de Planejamento Familiar -