Dicas de Saúde

10/01/2017

Como pai e mãe podem andar juntos na educação dos filhos?

Texto escrito por Clarissa Suassuna Psicóloga

Na rotina familiar e criação de filhos, normalmente observamos que é comum a mãe permitir algo que o pai não permite, ou o contrário. Ou que quando o pai briga ou fala de forma mais firme com a criança, a mãe se aproxima para “salvar” o filho, ou ainda que quando a mãe se irrita e fica nervosa, o pai entra pra proteger o filho.

Quando essas coisas acontecem na rotina familiar pai e mãe se distanciam, a criança se sente insegura e o casal perde força na ação educativa com os filhos.

O que fazer nesses casos?

Quando o ofamiutro cônjuge estiver conversando com a criança não devemos ir até lá. O ideal é ter paciência e aguardar o outro cônjuge resolver a situação específica.

Caso não tenhamos paciência para aguardar a resolução da situação, o adulto que está de fora deve perguntar ao cônjuge o que está acontecendo, e nunca à criança. Quando perguntamos a criança o que esta acontecendo, desconstruímos toda a história que o outro cônjuge estava conversando com a criança e toda a potência dele de educação é jogada fora por que damos mais voz à criança. A situação piora se, ao ouvir o que a criança falar, o adulto que estava de fora entrar para proteger a criança. Quando perguntamos ao adulto, e ele nos fala, por exemplo, que o problema é que o filho não está querendo tomar banho, o adulto que estava de fora deve repetir a orientação do cônjuge e orientar o filho que ele deve tomar banho, formando uma parceria entre os dois adultos.

Mas e quando o adulto que estava cuidando da situação perder o controle e ficar mais nervoso do que deveria?

Ainda nesse caso não devemos entrar pra proteger a criança e nem intervir de forma a diminuir o cônjuge.  O ideal é entrar em cena para facilitar o entendimento da criança sobre o que esta acontecendo. Então  devemos falar: “Filho, o papai (ou a mamãe) está muito nervoso, mas o que ele está te pedindo é para que você vá tomar banho agora, por que ela já te falou isso muitas vezes.” Dessa forma a criança vai perceber que pai e mãe estão andando juntos e que ela precisa respeitar os dois por igual.

Quando encontramos numa família pai e mãe que se respeitam em relação à criação dos filhos é muito mais fácil que os filhos respeitem os pais quanto às orientações e regras e a convivência se torna mais fácil.

Clarissa Suassuna  CRP 01/18113