Dicas de Saúde

15/05/2017

Candidíase, aquela que aparece sem ser convidada- Coluna Qual Farmácia

A candidíase é causada pela proliferação excessiva de fungos do gênero cândida. Apesar de fazer parte da flora vaginal natural, ela pode causar sintomas bastante inconvenientes, quando em quantidade aumentada. A candidíase não é considerada uma doença sexualmente transmissível. Como disse, esse fungo faz parte da flora habitual da genitália. Além disso, pode ocorrer sem que tenha acontecido contato sexual, mesmo em pacientes jovens virgens e crianças.

Quando a imunidade cai, por doença ou influência emocional ou então quando usamos alguns antibióticos e ocorre a destruição de bactérias causadoras de doenças e de bactérias “boas” conjuntamente, aumentamos a chance da proliferação que também pode resultar em candidíase.

Resumindo, não é a presença da cândida que indica doença, mas a presença de sintomas. Com isso, é preciso entender que quando ela aparece como achado em algum exame de rotina, não há necessidade de tratamento, muito menos de preocupação ou desespero.

 

Quando há um problema?

Quando as crises ocorrem 3 ou mais vezes ao ano é necessário realizar um tratamento não só para a crise, mas um tratamento mais longo que pode durar meses de medicamento oral. Por isso, é importante que a mulher seja acompanhada por um profissional treinado.

Os principais sintomas são corrimento grumoso esbranquiçado, associado a ardência, vermelhidão, coceira e bastante desconforto. Em alguns casos pode ocorrer edema e dor contínua ou durante a penetração em relações sexuais.

O relato da mulher acompanhado do exame clínico ginecológico é a forma correta de diagnóstico.

Tratamento

O tratamento é realizado com medicamento antimicótico oral (medicação para fungos) ou tópico intravaginal prescrito por um especialista. É importante consultar um médico e ser avaliada, já que mesmo que os sintomas possam ser claros, ainda pode haver associação com outra doença e o uso do medicamento errado poderá agravar ainda mais os sintomas.

Lembrando que o objetivo do tratamento é a eliminação dos sintomas com o controle da proliferação do fungo. Não conseguimos retirá-la por completo e nem queremos.

Cuidados e prevenção

A grande dica é a atenção com comportamentos que reduzem a chance de se ter episódios recorrentes de candidíase, como por exemplo:

  • Cuidado com a roupa íntima, mais algodão e menos tecidos sintéticos, como nylon e rendas;
  • Não realizar duchas vaginais, higiene apenas na parte externa da vagina;
  • Evitar alimentação com excesso em carboidratos (açúcar, doce, macarrão, pão, bolo).

 

Dra Thalia Maia

Dra. Thalia Maia CRM-DF 19006

Ginecologista e Obstetra

Brasília – DF.

Fontes:

  • Site