Dicas de Saúde

31/05/2017

A saúde geral e bucal da mulher

FullSizeRenderTexto escrito por Dra Janine Barbosa Rodrigues Teixeira

Você deve estar se perguntando : o que a minha saúde bucal tem a ver com a minha saúde geral? Um número cada vez maior de estudos relacionam as doenças da boca  com uma variedade de problemas que afetam a saúde geral da mulher. Como a maioria das doenças bucais é  causada por bactérias, estas podem entrar na corrente sanguínea através da gengiva e tornar-se causa de outras complicações:

  • Problemas Cardíacos: Mulheres com inflamação na gengiva  correm um risco maior de ter problemas cardíacos, com o dobro de possibilidade de sofrerem ataques fatais.
  • Derrame: Existe  uma relação causal entre infecções bucais e risco de derrame ou também conhecido como acidente vascular cerebral (AVC).
  • Diabetes: Os diabéticos são mais propensos a terem gengivite e com isso fica ainda mais dificil controlar o açúcar no sangue. A inflamação gengival pode ser um fator de risco para o diabético, mesmo em indivíduos com açúcar controlado.
  • Problemas respiratórios: Bactérias que se desenvolvem na cavidade bucal podem chegar até os pulmões e causar doenças das vias respiratórias, tal como a pneumonia, especialmente em pessoas que têm inflamação gengival e saburra na língua.
  • Resultados na gestação: As gestantes com gengivite podem estar mais propensas a partos prematuros ou terem bebês de menor peso ao nascer. A gengivite também pode aumentar o nível dos líquidos biológicos que estimulam o parto.

Como a gengivite em geral não dói, muitas mulheres só notam que têm o problema quando este já está em estado avançado. A melhor defesa é a cuidadosa higiene bucal diária com uma boa escovação e o uso de fio dental, e as consultas regulares com seu dentista para realização do Check up preventivo Digital

Os requisitos relacionados à saúde bucal mudam com o passar do tempo?

A mulher tem necessidades especiais relacionadas à saúde bucal nas diversas fases da vida. As mudanças nos níveis de hormônio que ocorrem na puberdade, seguidas da menstruação, gravidez e menopausa tornam as gengivas mais sensíveis à placa bacteriana. Nessas etapas da vida, as mulheres não podem esquecer de escovar e usar fio dental todos os dias, para evitar a gengivite.

Outras informações importantes:

  • Contraceptivos orais — A inflamação da gengiva é um dos efeitos colaterais mais comuns dos contraceptivos orais.
  • Gravidez — Estudos mostram que muitas mulheres grávidas têm mais propensão a gengivite. Os sintomas são gengivas avermelhadas, inflamadas e com sangramento. O cuidado pré-natal odontológico é sempre extremamente importante.
  • Menopausa — Os sintomas bucais experimentados durante este estágio na vida de uma mulher são gengiva avermelhada ou inflamada, desconforto, sensação de ardência, sensação de alteração do paladar e boca seca.
  • Osteoporose — Várias pesquisas sugerem a existência de uma relação entre a osteoporose e a perda óssea nos maxilares. Os pesquisadores sugerem que isto pode levar à perda de dentes por causa da provável diminuição da densidade dos ossos onde os dentes estão inseridos. Juntamente com a osteoporose, a doença periodontal acelera o processo de perda de estrutura óssea ao redor dos dentes.

Dra. Janine Barbosa Rodrigues Teixeira – CRO 8931

Cirurgiã Dentista

Clínica Acuratto Odontologia Especializada

https://www.facebook.com/accuratoodontologiaespecializada